O desperdício nosso de cada dia

Se você está com sede e tem um copo de água, você bebe a água e mata a sede, ou joga a água fora e continua com sede?
A pergunta parece idiota, e de fato é, mas trata-se de uma analogia perfeita para o que fazemos com nosso tempo, nossa atenção e nossa energia. Já reparou como desperdiçamos esses três itens preciosos com bobagens?
Perdemos nosso tempo nos preocupando com problemas que não são nossos, e que justamente por isso não cabem a nós resolver. Consumimos nossa atenção com fatos e versões que não controlamos, e pelos quais nada podemos fazer. Colocamos toda nossa energia em coisas que não nos dão qualquer retorno positivo, brigando, criticando, condenando, se angustiando, se consumindo. Sofrendo horrores, seja pelo que temos, seja pelo que não temos. 
Aí, quando precisamos de tempo, atenção e energia para aquilo que verdadeiramente importa, cadê o tempo, a atenção e a energia que estavam aqui? Exatamente: desapareceram. Foram jogados fora com pessoas, problemas e situações que sequer nos dizem respeito.
Resultado: estamos sempre exaustos e ansiosos. Exaustos porque dilapidamos nosso foco e nossa vontade com inutilidades, e ansiosos porque temos mil problemas realmente nossos para resolver, mas agora não temos mais tempo, atenção e energia para tanto.
Eu tenho feito este exercício cotidiano e complexo de cagar e andar para tudo o que eu não controlo, me dando o direito de me poupar de aborrecimentos que simplesmente não são meus, guardando meu tempo e atenção somente para o que me pertence. 
E ó: recomendo.
Porque desde que eu comecei a direcionar minha energia para o que eu posso fazer, mudar ou resolver, passei a ter um retorno que, do outro jeito, eu não tinha, efetivamente realizando algo capaz de justificar o esforço despendido. Quando decidi beber a água do copo ao invés de jogá-la fora, adivinha só? Não senti mais sede.
Acreditar que nossa energia, nossa atenção e nosso tempo são infinitos é um erro, e um erro grave. Se os desperdiçamos, como faremos para cuidar da nossa própria vida e dos nossos próprios problemas?
Resposta: não faremos, não cuidaremos e não resolveremos – nem a nossa vida e os nossos problemas, e muito menos a vida e os problemas do próximo, independentemente de quão próximo seja o próximo. Seremos apenas mais um sedento em uma multidão de sedentos, que debilmente joga fora seu copo de água ao invés de bebê-lo e se saciar.

assinado Jana.

Postagens mais visitadas deste blog

“Ela é uma vagabunda”, disse a mulher

Quem é o bandido que você quer ver morto?

Por que a violência contra nós não importa?