Esclarecendo a escuridão


Sou a responsável pelo Nascedouro, selo da Editora Os Dez Melhores que publica livros escritos por crianças e adolescentes. De 2013 pra cá, publicamos sete livros contendo textos e desenhos de mais de 240 estudantes do interior do Rio Grande do Sul. Logo, participei diretamente de sete lançamentos, e cada um foi especial e inesquecível à sua maneira.
Porém, nosso mais recente lançamento, a obra “Jovens Escritores Brasileiros Vol. 2”, que aconteceu no dia 14 de novembro de 2018 em Sananduva/RS, foi particularmente especial e inesquecível, devido ao contexto que experimentamos agora, enquanto país e enquanto cidadãos. Enquanto coletivo e enquanto indivíduos.
Vivemos tempos de crise generalizada, disso ninguém duvida. O colapso não é apenas político e econômico, mas moral e estrutural. A falência da sociedade que conhecíamos revelou o que de pior existe no ser humano: violência, fanatismo, intolerância. Algo sem precedentes em nossa história. Uma espécie de guerra ideológica, cujo combate não se dá em campos de batalha, mas no campo das ideias, da mente, das emoções. O que, de modo nenhum, torna a luta menos dolorosa e desgastante. Bem pelo contrário.
Todo mundo está esgotado. Estressado. Irritado. Dá pra sentir a eletricidade no ar. Qualquer faísca microscópica vira uma explosão nuclear. E não há ninguém – homem, bicho, planta, velho ou criança – imune ao peso que paira em todo lugar.
Os seis lançamentos do Nascedouro, que antecederam o último, não estavam inseridos em um ambiente assim, tão hostil. A arte e os artistas ainda não eram publicamente atacados. Livros e escritores ainda não eram censurados. Os professores, apesar do descaso habitual, não eram vigiados e punidos como marginais. Pensar criticamente, até então, não era crime.
Talvez você esteja se perguntando de que jeito este clima agressivo poderia interferir no lançamento de um livro escrito por crianças e adolescentes. O que política tem a ver com literatura, afinal de contas? A resposta é: tudo. Veja que todos os projetos do Nascedouro envolvem justamente livros & escritores, arte & artistas, professores, escolas & pensamento crítico. Tudo o que, neste momento, é visto como inimigo número um por significativa parcela da sociedade.
E é por isso que o lançamento do livro “Jovens Escritores Brasileiros Vol. 2” não foi apenas o lançamento de um livro.
Foi um projeto de força, reação e resiliência em meio ao caos. Um projeto que enfrentou, desde o início, problemas e dificuldades de toda ordem, totalmente condizentes com a nossa triste realidade, brutalizada, caduca e cega. Problemas e dificuldades que foram superados um a um por Reni Terezinha Duarte, ser humano iluminado e organizadora de tudo, que, junto com a equipe da Escola Amélia Lenzi Raymundi, moveu montanhas, mares, mundos e fundos para fazer acontecer. E fez, porque é assim que faz quem sabe fazer.
Após o evento, relembrando todo o processo, fui obrigada a sorrir e admitir que, apesar das pancadas, continuamos em pé. Apesar do desalento, ainda temos motivos para acreditar que amanhã vai ser outro dia.
Afinal, toda vez que alguém, em qualquer lugar do Brasil ou do mundo, na cidade ou no campo, no centro ou no interior, estimula uma criança a pensar, a ler, a escrever, a conhecer e criar, a imaginar, uma nova rachadura surge neste muro de hostilidade que nos separa e sufoca.
Cada vez que uma criança tem a oportunidade de saborear o conforto, a segurança e a satisfação que só a arte pode oferecer, uma luzinha se acende – e a menor vela já é capaz de esclarecer as trevas da ignorância e do preconceito.
Sim, eu ando bastante pessimista, não posso negar. Mas depois do lançamento do livro “Jovens Escritores Brasileiros Vol. 2”, entendi por que costumam dizer que a esperança é a última que morre e a primeira que ressuscita.
Porque enquanto houver uma única pessoa acendendo luzes em qualquer lugar do Brasil ou do mundo, na cidade ou no campo, no centro ou no interior, a escuridão cedo ou tarde se iluminará.


Postagens mais visitadas deste blog

“Ela é uma vagabunda”, disse a mulher

Quem é o bandido que você quer ver morto?

Por que a violência contra nós não importa?