Pequena crônica sobre futebol


Interessante o meu colorado: diminui diante dos pequenos e se agiganta diante dos gigantes.
Uns dez anos atrás, quando eu morava em Passo Fundo, o dono do mercadinho perto do meu prédio, gremista, vivia me zoando porque o Inter perdia, e não raramente de goleada, pra times minúsculos e modestos, cujo orçamento anual não pagava o salário de um jogador de base do colorado.
Porém, eu lembro que respondia pro dono do mercadinho que o Inter era o clube do povo, que abraça os excluídos, os esquecidos e os marginalizados, e levou esta filosofia para o campo. Times sofridos saíram da zona de rebaixamento ou conseguiram a primeira vitória no campeonato graças ao Inter. Clubes modestos, que não marcavam gol há meses, puderam comemorar pelo menos uma noite, tudo graças ao Inter.
Não sei, mas pensar deste jeito sempre conforta meu coração, haha.
O fato é que, como bem sabemos, o Inter é assim até hoje – e graças a São Fernandão, foi assim ontem também, quando se agigantou diante do gigante, no Gigante.
Ganhamos, duas vezes na mesma noite, do melhor time brasileiro da atualidade.
É por causa de momentos como este que meus planos de largar de mão o futebol sempre fracassam vergonhosamente.
Dá-lhe Inter. 


Postagens mais visitadas deste blog

Quem é o bandido que você quer ver morto?

Sobre se tornar

Um bônus e um ônus e vice-versa